Notícias

ESTAMOS DE OLHO

domingo, 18 de dezembro de 2011

Dilma teflon

Dilma Rousseff acaba de bater todos os recordes de popularidade para um governante em primeiro ano de mandato. Com 72% de aprovação pessoal, deixou para trás até o padrinho Lula, apontam os dados da última pesquisa CNI-Ibope, divulgada sexta-feira. Seu governo, aplaudidíssimo por políticas de distribuição de renda, ostenta confortáveis 56% de ótimo e bom.
Um feito fantástico para quem tem contato popular restrito e que, nos últimos meses, se viu enredada com auxiliares diretos tombados como pinos de boliche, insustentáveis diante de suspeitas de corrupção.
A pesquisa repisa o que já é sabido: a força inexorável da bolsa-família, base primeira dos pontos positivos que o governo alcança.
Os eixos negativos são alarmantes. Fossem ponderados com pesos diferenciados para os serviços essenciais, possivelmente o resultado seria outro: Saúde, reprovada por 67%, e Educação, por 51%, provam isso. Também mereceram notas baixas os altos impostos, os juros e o controle da inflação.
Mas a Dilma, nada perturba. Tem-se permitido até ao faz de conta, como se pudesse estar alheia às perturbações mundiais e aos indicativos preocupantes que o país dá.
Na entrevista aos jornalistas que a acompanham no dia-a-dia do Palácio - estrategicamente convocada para a mesma manhã em que a pesquisa foi divulgada -, a presidente assegurou que o Brasil crescerá entre 4,5% e 5% no próximo ano e que a inflação – que já fugiu do topo da meta – será domada.
Só se incomodou mesmo quando foi questionada sobre as estripulias do amigo Fernando Pimentel, ministro do Desenvolvimento.
Mas a Dilma, nada perturba. Está blindadíssima. Nisso, é igual a Lula. Nada cola nela.
Embora a corrupção tenha sido o tema mais lembrado espontaneamente entre os pesquisados, a maioria culpa os ministros e não a chefe maior do Estado. O resultado coroa a estratégia de vender a presidente como faxineira que não tolera “malfeitos”, mas que, na prática, só não os tolera de aliados que ela já considerava intoleráveis.
Parece até que não é dela a responsabilidade de nomear e demitir ministros, de deixar ou não o governo nas garras de abutres.
Dá-se até ao luxo de, para proteger Pimentel, reafirmar que as suspeitas que pesam sobre ele são coisas do passado e nada têm a ver com o seu governo. Logo ela, que se orgulha do diferencial de seu passado, da sua história de luta e resistência.
Com essa defesa cega, Dilma desrespeita a si e ao país. Trai aqueles que nela confiaram e que lhe renovam o crédito. Esquece-se que popularidade não é sinônimo de qualidade.

Mary Zaidan é jornalista, trabalhou nos jornais O Globo e O Estado de S. Paulo, em Brasília. Foi assessora de imprensa do governador Mario Covas em duas campanhas e ao longo de todo o seu período no Palácio dos Bandeirantes. Há cinco anos coordena o atendimento da área pública da agência 'Lu Fernandes Comunicação e Imprensa, @maryzaidan 

Nenhum comentário:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial