Notícias

ESTAMOS DE OLHO

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Vereadora de PG diz que pretende explicar suposto sequestro forjado


A vereadora de Ponta Grossa, Campos Gerais, Ana Maria Branco de Holleben (PT), suspeita de simular o próprio seqüestro no início deste ano, deve quebrar o silêncio em breve, segundo seu advogado, Fernando Madureira. Internada em uma clínica psiquiátrica em Curitiba desde que foi solta no dia 9 de janeiro, a parlamentar disse que pretende reunir a imprensa para falar sobre as acusações assim que tenha condições de saúde.
Segundo Madureira, ela ainda está em tratamento e as visitas são restritas. 

Apenas os advogados e a filha podem vê-la. A previsão é de que a vereadora prossiga internada por mais 10 ou 15 dias.
O advogado afirma que, na próxima semana, o pedido de afastamento de vereadora deve ser protocolado na Câmara de Vereadores do município.

Conforme a Polícia Civil, depois de percorrer por vários locais, pernoitar em um motel na cidade de Imbaú e passar por Ventania, a vereadora foi deixada em uma área rural da cidade de Piraí do Sul, onde pediu telefone emprestado para os moradores que a reconheceram.
Ainda conforme a polícia, parte do inquérito corre sob segredo de justiça.

 Ameaças contra familiares da parlamentar e a outros vereadores estão sendo averiguadas. A conclusão da investigação, que está prevista para os próximos dias, deve revelar pontos ainda não esclarecidos do caso.

 Assim que for concluído, o inquérito será entregue ao Ministério Público, que decidirá se oferece a denúncia contra Ana Maria ou não. A vereadora é suspeita de cometer três crimes: falsa comunicação de seqüestro, formação de quadrilha e fraude processual. 

Fonte; Gazeta do Povo



Nenhum comentário:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial