Notícias

ESTAMOS DE OLHO

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Parecer de MP condena vereador Marcos Labres de Jaguariaíva


 Por meio de parecer emitido em agosto, o Ministério Público estadual concluiu pela condenação do vereador Marcos Adriano Labres (PMDB) no processo-crime de uma tentativa de extorsão supostamente ocorrida em 2008. Ao mesmo tempo, o parecer decidiu que Fernando Deodoro Lazari, assessor de Labres à época, fosse absolvido no processo.

Essa decisão do MP, no entanto, ainda não é definitiva, conforme explica o promotor público Wanderley Gonçalves Custódio. “O parecer ainda deverá passar pela juíza [Patricia Roque Carbonieri].
Acatá-lo ou não é uma decisão que só cabe a ela”, afirma. Custódio explica que, além do processo-crime, também tramita um outro processo sobre a mesma tentativa de extorsão na Vara Cível, por improbidade administrativa, e que atualmente está em fase de instrução.

 De acordo com ele, tal processo poderá redundar até mesmo em cassação do mandato do vereador. Labres foi o segundo vereador mais votado nas eleições municipais de 2008 com 978 votos, e cumpre seu primeiro mandato.
Na última sexta-feira (18),Marcos Labres se disse ‘surpreso’ e contou não ter conhecimento do parecer do Ministério Público. “Já estamos há dois anos do acontecido, não temos mais o que demonstrar para a Justiça.

O fato é que eu estou exercendo o mandato com toda a responsabilidade, mas sofri perseguição da candidata que ficou como minha suplente [Sandra Maria Negrini]”, explica.“No entanto, estou com a minha consciência tranqüila. A minha defesa está montada e, agora, é só esperar pela decisão da juíza”, completa.

Na avaliação de João Ferreira Brisola, presidente local do PSC, a tramitação do processo contra Marcos Labres e Fernando Lazari ‘está muito lenta’. “Devia ser mais rápida. Pelo processo, se configura que houve realmente essa fraude. Houve até mesmo um CD com a gravação”, observa.

Brisola, que é marido de Sandra Maria Negrini, primeira suplente de Labres, afirma que, no
entanto, pretende ‘deixar a Justiça trabalhar’. “Nós não vamos entrar com ação, até porque acreditamos na Justiça. No ano que vem, haverá eleição de novo e a minha esposa, que é uma professora muito benquista aqui na cidade, sairá candidata mais uma vez”, conta. “A população quer saber do desfecho deste caso”, justifica. Nas eleições de 2008, Sandra Maria Negrini, que é filiada ao PSC, obteve 400 votos.

‘Concussão’


O processo contra o vereador Marcos Labres e Fernando Lazari refere-se a inquérito aberto pelo Ministério Público no início de abril de 2009 por crime de ‘concussão’ (ato de exigir de outra pessoa vantagem indevida). O motivo é a suposta tentativa de extorsão em relação a um então assessor parlamentar da câmara, Mário Tomé,conhecido por ‘Turcão’.Tomé confirmou, em meados de julho, que foi ‘extorquido’ pelo vereador.

“Ele falou que eu tinha feito um empréstimo. Nessa época [2008], eu trabalhava na prefeitura e, em 1º de setembro, entrei em férias. Eu pedi R$ 3 mil ao vereador para trabalhar na campanha dele [durante as eleições municipais]. Ele me deu esse dinheiro e mais R$ 3 mil para comprar votos, para eu repassar para um, para outro”, contou, à época, lembrando que trabalhou na Câmara durante sete meses.

Por causa disso, Tomé entrou com um processo por calúnia e difamação contra Marcos Labres. Ontem (21), Tomé relatou que, através de acordo, o vereador pagou-lhe R$ 1 mil pela indenização e a juíza ‘deu por encerrado’ o processo. Com relação ao processo movido pelo Ministério Público, Tomé diz que ‘está tudo muito justo. “A Justiça está fazendo a parte dela”, observa.


Fonte: Pagina um Edição  Nº 1896
Helcio Kovaleski

Nenhum comentário:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial